MOMENTO ATUAL E MENSAGENS APÓCRIFAS

MÉDIUNS DE CURA
outubro 24, 2016
O MARAVILHOSO E O SOBRENATURAL
outubro 24, 2016
Exibir tudo

MOMENTO ATUAL E MENSAGENS APÓCRIFAS

Natural que no momento difícil que estamos vivendo, aumente a procura por mensagens espíritas que possam trazer algum alento para as criaturas.

E é nesse contexto, de dúvidas e incertezas, que surge uma série de mensagens assinadas por espíritos cujos nomes são respeitáveis no movimento espírita. Porém é nesta hora também que devemos estar muito atentos com as mistificações de médiuns e de espíritos que se aproveitam da  credulidade das pessoas para se passarem por veneráveis, com recomendações, ora repetitivas, ora  esdrúxulas,  que não acrescentam absolutamente nada.

Diz Kardec no item 255 do LM: “A questão da identidade dos Espíritos é uma das mais controvertidas, mesmo entre os adeptos do Espiritismo. Porque os Espíritos, de fato, não trazem nenhum documento de identificação e sabe-se com que facilidade alguns deles usam nomes emprestados”.

Diz ele ainda, mais adiante, no mesmo item, que a questão se torna mais complexa quando temos de comprovar a identidade de Espíritos de personalidades antigas, o que muitas vezes é impossível.

De modo geral devemos avaliar os Espíritos como avaliamos os homens: pela sua linguagem, estilo, tendências morais, atos, pelos conselhos dados etc. Desde que o Espírito só diga coisas boas e proveitosas, pouco importa o seu nome. É como nos disse Jesus: “Porque não é boa árvore a que dá maus frutos, nem má árvore a que dá bons frutos. Porquanto cada árvore é conhecida pelo seu fruto” (Lucas, VI: 43 e 44).

Isso se aplica a encarnados e desencarnados, médiuns e Espíritos. Entre as comunicações espíritas no último capítulo de O Livro dos Médiuns, (XXXI), temos alguns exemplos dados por Allan Kardec de mensagens consideradas apócrifas, que é algo escrito sobre o que não se tem a certeza da autoria ou cuja autenticidade não pode ser comprovada.

“Há muitas vezes comunicações de tal maneira absurdas, embora assinadas por nomes os mais respeitáveis, que o mais vulgar bom-senso demonstra a sua falsidade. Mas há aquelas em que o erro é disfarçado pela mistura com princípios certos, iludindo e impedindo às vezes que se faça a distinção à primeira vista. Mas elas não resistem a um exame sério”.

Em síntese, Kardec apresenta no item 267 de “O Livro dos Médiuns”, vinte e seis princípios que nos auxiliam a reconhecer a identidade e qualidade dos Espíritos. Vejamos  alguns:

– “Não há outro critério para discernir o valor dos Espíritos, senão o bom-senso”;

– “Julgamos os Espíritos pela sua linguagem e pelas suas ações”;

– “A linguagem dos Espíritos superiores é sempre digna, elevada, nobre, sem nenhuma mistura de trivialidade”;

– “A linguagem dos Espíritos elevados é sempre idêntica, senão quanto à forma, pelo menos quanto à substância. As ideias são as mesmas, sejam quais forem o tempo e o lugar”;

– “Os Espíritos bons só dizem o que sabem, calando-se ou confessando a sua ignorância sobre o que não sabem”;

– “Os Espíritos levianos são ainda reconhecidos pela facilidade com que predizem o futuro e se referem com precisão a fatos materiais que não podemos conhecer”;

– “Os Espíritos superiores se exprimem de maneira simples, sem prolixidade. Seu estilo é conciso, sem excluir a poesia das ideias e das expressões”;

– “Os Espíritos bons não fazem lisonjas. Aprovam o bem que se faz, mas sempre de maneira prudente”;

– “Os Espíritos superiores mantêm-se, em todas as coisas, acima das puerilidades formais. Os Espíritos vulgares são os únicos que podem dar importância a detalhes mesquinhos, incompatíveis com as ideias verdadeiramente elevadas”;

Outras recomendações poderiam ser citadas, porém estas já são suficientes às nossas reflexões. Com certeza os espíritos superiores se preocupam com o estado atual das coisas, mas de forma alguma os superiores estariam disseminando o medo, a desesperança, e tampouco se comportando como se estivessem em um palanque político.

Sábias as recomendações de Kardec:

– “Devemos igualmente desconfiar dos Espíritos que se apresentam com muita facilidade usando nomes bastante venerados e só com muita reserva aceitar o que dizem” (LM item 267).

Os comentários estão encerrados.